Piada Legal
Piada Nova

as melhores piadas


Piadas de advogados






Em Vassouras, o Promotor de Justiça chama sua primeira testemunha, uma velhinha de idade bem avançada. Para começar a construir uma linha de argumentação, o Promotor pergunta à velhinha:

- Dona Genoveva, a senhora me conhece, sabe quem sou eu e o que faço?

- Claro que eu o conheço, Vinícius! Eu o conheci bebê. Só chorava, deveria ser pelo pintinho pequeninho que você tinha. E, francamente, você me decepcionou. Você mente, você trai sua mulher, você manipula as pessoas, você espalha boatos e adora fofocas. Você acha que é influente e respeitado na cidade, quando na realidade você é apenas um coitado. Nem sabe que a filha esta grávida, e pelo que sei, nem ela sabe quem é o pai. Ah, se eu o conheço! Claro que conheço!

O Promotor fica petrificado, incapaz de acreditar no que estava ouvindo. Ele fica mudo, olhando para o Juiz e para os jurados. Sem saber o que fazer, ele aponta para o advogado de defesa e pergunta à velhinha:

- E o advogado de defesa, a senhora o conhece?

A velhinha responde imediatamente:

- O Robertinho? É claro que eu o conheço! Desde criancinha. Eu cuidava dele para a Marina, a mãe dele, pois sempre que o pai dele saia, a mãe ia pra algum outro compromisso. E ele também me decepcionou. É preguiçoso, puritano, alcoólatra e sempre quer dar lição de moral nos outros sem ter nenhuma para ele. Ele não tem nenhum amigo e ainda conseguiu perder quase todos os processos em que atuou. Além de ser traído pela mulher com o mecânico...com o mecânico!!!...

Neste momento, o Juiz pede que a senhora fique em silêncio, chama o promotor e o advogado perto dele, se debruça na bancada e fala baixinho aos dois:

-Se algum de vocês perguntar a esta velha filha da puta se ela me conhece, vai sair desta sala preso! Fui claro?














As pérolas jurídicas que se seguem, são falas que realmente vazaram das bocas de rábulas (também conhecidos como advogados de “porta de cadeia”) e foram obtidas de registros oficiais de tribunais. Com toda a justiça aos pobres advogados aqui imortalizados como completos idiotas, o leitor deve saber que os datilógrafos transcrevem tudo o que e dito, de forma que a menor estultice fica em registro para sempre. Aproveite e veja entre parênteses as respostas que devem ter sido imaginadas pelos que ouviram as perguntas.

(1)
Foi este o mesmo nariz que você quebrou quando criança? (Como se alguém trocasse de nariz depois de adulto).

(2)
Então, doutor, não é verdade que quando uma pessoa morre durante o sono, na maioria dos casos ela o faz de maneira calma e não se da conta de nada até a manha seguinte? (E na manhã seguinte ao acordar ele vai notar que está morto?)

(3)
-O que aconteceu depois?
-Ele me disse: Tenho que te matar porque você pode me identificar no tribunal.
-E ele o matou?
(O inquirido deveria responder que sim, que era um fantasma voltando do além?)

(4)
-Foi você ou seu irmão que morreu na guerra? (Sem comentários!)

(5)
-O filho mais jovem, o de 20 anos, quantos anos ele tem? (Talvez, uns oitocentos e cinqüenta?!)

(6)
-O que significa a presença de esperma?
-Significa relação consumada.
-Esperma masculino? (Devia estar pensando que podia ser de um ET?!)
-E o único que eu conheço.

(7)
-Vou mostrar a Prova 3 e peço que reconheça a foto.
-Este sou eu.
-Você estava presente quando esta foto foi tirada? (P#ta que p#ariu! Como é burro!)

(8)
-Você estava presente a este tribunal esta manhã quando fez o juramento? (Na realidade, não tenho certeza, pode ser que eu tenha algum irmão gêmeo que eu não conheço.)

(9)
-Então, Sr. Alberto, como o seu casamento acabou?
-Por morte.
-E ele acabou pela morte de quem? (Deve ser por morte do cérebro do causídico)

(10)
-Há quanto tempo você esta grávida?
-Vai completar 3 meses no dia 8 de novembro.
-Então, aparentemente, a data da concepção foi 8 de agosto.
-Sim.
-E o que você estava fazendo? (Chupando melancia e acabei engolindo um caroço, aí minha barriga inchou assim.)

(11)
-Sra. Silva, a Sra. se considera emocionalmente equilibrada?
-Eu era.
-E quantas vezes a Sra. cometeu suicídio? (Não lembro, mas depois desta pergunta vou me matar pelo menos umas dez vezes.)

(12)
-Quer dizer que, quando você voltou, você tinha saído? (Não! Eu sempre volto sem ter saído.)

(13)
-Ela tinha 3 filhos, certo?
-Sim.
-Quantos meninos?
-Nenhum.
-Tinha alguma menina? (Não eram todos anjos, que não tem sexo.)

(14)
-Você não sabe o que era, nem com o que se parecia, mas você pode descrever? (Não. Mas posso descrever um burro de terno e gravata, se você quiser.)

(15)
-Você disse que a escada descia para o porão. Essa escada, ela também subia? (Nunca vi. Ela tinha uma mania danada de ficar só lá embaixo)

(16)
-O Sr. esta qualificado a apresentar uma amostra de urina?
-Sim, desde criancinha. (Este respondeu na bucha!)

(17)
-O Sr. se lembra, aproximadamente, a hora em que examinou o corpo do Sr. Silva?
-Foi à noite. A autópsia começou em torno das 20:30.
-E o Sr. Silva estava morto naquele momento, certo?
(-Não, seu panaca estúpido! Ele estava sentado na mesa tentando imaginar por que era que eu estava abrindo o peito dele com um bisturi!)




O doutor advogado casou-se com uma senhora que já havia sido casada 12 vezes. Em plena noite de núpcias, a noiva disse: -Por favor, meu amor, seja gentil. Ainda sou virgem.
Assustado, já que ela tinha sido casada 12 vezes, o advogado pediu a ela que explicasse essa história. E ela respondeu:
-Meu primeiro marido era Representante de Vendas e passava o tempo todo dizendo de falando de maneira eloqüente: "Isso vai ser fantástico para você!” ·
-Meu segundo marido era do Apoio de Software. Ele nunca tinha certeza como funcionava mas vivia prometendo mandar alguém dar uma olhada.
-Meu terceiro marido era Técnico. Depois de dar uma olhada, ele disse que as pecas estavam todas perfeitas mas que o sistema não funcionava.
-Meu quarto marido era de Serviços Educacionais. Ele sempre dizia: "Quem sabe faz. Quem não sabe vai dar aula".
-Meu quinto marido era do Departamento de Telemarketing. Ele dizia que tinha os pedidos mas não sabia quando ia poder entregar o produto.
-Meu sexto marido era Engenheiro. Ele dizia que compreendia o procedimento básico, mas que precisava de três anos para pesquisar, implementar e criar um método revolucionário.
-Meu sétimo marido era Servidor Publico. Ele dizia que compreendia perfeitamente como era, mas que não tinha certeza se era da competência dele.
-Meu oitavo marido era de Normas e Procedimentos. Ele dizia que o procedimento estava correto, mas que ele desconhecia qualquer norma a respeito.
-Meu nono marido era Gerente de Marketing. Ele dizia que sabia que tinha o produto mas não sabia como utiliza-lo.
-Meu décimo marido era psiquiatra. Ele só queria conversar sobre sexo.
-Meu décimo primeiro marido era ginecologista. Não queria misturar trabalho com lazer.
-Meu décimo segundo marido era colecionador de selos. Ele só queria lamber.
-Por isso agora estou casando com um advogado, porque eu tenho certeza que ele vai me foder!




Parece piada mas não é. Esta história verídica, provavelmente é uma das melhores de que se tem notícia sobre advogados espertinhos.

Um advogado americano comprou uma caixa de charutos muito raros e caros. Para se garantir, fez seguro, inclusive contra roubo e incêndio. Cerca de um mês depois ele já havia fumado todo o estoque da preciosidade. Demonstrando uma esperteza típica da classe, ele entrou com um pedido de pagamento do seguro. Em sua reivindicação, o advogado afirmou que os charutos foram perdidos “em uma série de pequenos incêndios”. Obviamente, a companhia de seguro recusou-se a pagar, mencionando uma razão óbvia: o homem (o advogado) tinha consumido os charutos da forma normal, isto é, fumou-os.

Tendo em vista a negativa de pagamento, o advogado processou a companhia de seguros e...ganhou!!? Ao proferir sua decisão, o Juiz concordou com a companhia de seguro, admitindo que a reivindicação era estúpida. Não obstante, o juiz admitiu que o contrato de seguro firmado entre as partes não especificava que tipo de incêndio era aceitável e, assim, condenou a seguradora a pagar a reivindicação. Para evitar que o processo se alongasse através de apelações e recursos que o encareceriam ainda mais, a companhia concordou e pagou 15.000 dólares ao advogado pela perada de seus charutos raros nos “incêndios”.

Agora vem a melhor parte:
Depois que o advogado recebeu o seguro e ficou feliz da vida, veio o troco. A companhia de seguro denunciou-o como incendiário, afirmando que ele causou 24 pequenos incêndios, exatamente o número de charutos. Sua reivindicação e testemunho no caso anterior serviram de provas contra ele. O resultado: foi condenado por queimar intencionalmente sua propriedade para receber o seguro, e sentenciado à 24 meses na cadeia e uma multa de 24.000 dólares.


home   -   contato   -   melhores piadas   -   melhores vídeos   -   mapa do site
© 2011-2017 Piada Nova - v2.0